Paciente transgênero e o teste laboratorial

- 06/10/2022

A conferência “Particularidades laboratoriais do paciente transgênero: do atendimento à liberação dos resultados”, ministrada pelas Dras. Luisane Maria Falci Vieira, coordenadora do Comitê de Gestão da Qualidade da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML) e coordenadora do Posicionamento das Sociedades para a inclusão de pacientes transgênero; Tayane Muniz, médica endocrinologista e Derliane de Oliveira, farmacêutica-bioquímica falou sobre o desafio do laboratório clínico para atender o paciente transgênero, trazendo o respeito ao indivíduo, mas também a correta avaliação dos marcadores para que o resultado dos exames sejam fidedigno, durante o 54º CBPC/ML – Congresso Brasileiro de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial.


Em primeiro lugar, a Dra. Luisane colocou a importância de entender os conceitos e as definições básicas para a compreensão do universo para população transgênero e não-binária. Uma questão muito importante salientada foi o respeito ao nome de preferência ou nome social.  O atendimento do laboratório deve sempre perguntar a qualquer pessoa "qual nome você prefere que eu use?".


Da mesma forma, é preciso atentar-se no preenchimento dos dados cadastrais a diferença entre “sexo”, um dado biológico habitualmente binário, e “gênero de escolha”, com o qual o indivíduo se identifica. Pode ser, inclusive, que não se identifique com gênero algum (fluido, não-binario, por exemplo). Apesar do tratamento seguir respeitando o gênero de identificação do paciente sempre que o atendente for relacionar-se com ele, é muito importante explicar algumas particularidades dos laboratórios.


A principal delas é que no laboratório os Intervalos de Referência, que servem de apoio para identificar um diagnóstico, são diretamente relacionados ao sexo biológico do indivíduo, pois foram determinados em homens e mulheres cis. 


Outro ponto fundamental é sobre comunicar o uso de medicação como hormônios, comumente usados por esta população para adquirirem características do gênero de identificação. Isso porque os hormônios, como testosterona, por exemplo, interferem na leitura dos exames e o médico patologista clínico precisa desta informação a fim de concluir um laudo correto.

Outras Notícias

Cerimônia de encerramento do 54º CBPCML é marcada por sorteio de prêmios e celebrações

Na ocasião foram sorteados 20 brindes após as premiações dos Temas Livres, Concurso de Fotografia e Lançamento do Site

“A Vida é um Jogo”, Tande, campeão olímpico de voleibol, comentou sobre sua carreira no 54º CBPCML

O esportista também trouxe temas relacionados à inovação para acompanhar um mercado cada vez mais competitivo

Varíola do Macaco: o que sabemos até agora?

Médicos apresentam protocolo para doença rara e letal, ainda subnotificada no Brasil

Conferência discute a importância do diagnóstico de doenças raras

Experiência brasileira no diagnóstico molecular de SARS-CoV-2 (covid-19): passado, presente e futuro

PCR para HPV é arma poderosa para prevenção de câncer de colo uterino

Como a inteligência artificial pode ajudar no diagnóstico em hematologia e onde estamos e até onde podemos ir?

Telelaboratório já é uma realidade?

Inclusão de exames no Rol da ANS amplia chances de diagnóstico precoce e prevenção

Tecnologia dos games abrem um mundo novo para a medicina diagnóstica

“Leucemia Mielóide Aguda/SMD - o que temos de novo?” tema de Mesa redonda do 54º CBPC/ML

Quatro livros são lançados durante o 54º CBPC/ML

Como a inteligência artificial pode ajudar no diagnóstico em hematologia e onde estamos e até onde podemos ir?

Conferência expõe aplicações da genômica para diagnósticos e medidas preventivas em diversas áreas da medicina

A atuação do Ministério da Saúde no fomento à integridade e no combate à fraude e corrupção

Infecções fúngicas: diagnóstico desafiador que exige expertise laboratorial

Novos exames auxiliam no diagnóstico precoce do Alzheimer

Mesa redonda apresenta exames de laboratórios essenciais para definição precisa de terapias e garantia de qualidade de vida aos pacientes de fibrose cística